PROPAGANDA

África do Sul envia chitas para reserva Nacional de Marromeu


 A África do Sul enviou, recentemente, quatro chitas para a Reserva Nacional de Marromeu, em Moçambique, depois de terem estado em quarentena durante cerca de um mês e terem sido autorizadas a viajar.

O acto é parte dos esforços ambiciosos para reintroduzir estes animais em regiões onde a sua população diminuiu.

Os conservacionistas dizem que o delta do rio Zambeze de Moçambique tinha uma população significativa de chitas, que foi drasticamente reduzida pela caça furtiva desenfreada e por leões e leopardos que as caçavam.

Em declarações à agência Associated Press, pouco depois das chitas que iam para Moçambique terem sido postas a dormir com dardos de tranquilizantes e colocadas em caixas, o veterinário Andy Frasier admitiu que as deslocalizações são difíceis para os animais.

"É um processo muito stressante, estarem num ambiente de '"boma" (recinto de gado) porque não têm para onde fugir", disse Frasier.

Os conservacionistas sul-africanos preparam-se ainda para voar para a Índia em outubro 12 chitas, conhecidas por serem os mamíferos terrestres mais rápidos do mundo.

A população de chitas da África do Sul está a crescer a uma taxa de cerca de 8 por cento ao ano, permitindo ao país mover cerca de 30 animais para outras reservas de caça na África do Sul e exportar alguns para outros países, disse Vincent van der Merwe, que dirige a Cheetah Metapopulation Initiative.

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu